PROTAGONISMO JUVENIL: INCLUSÃO E EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

PROTAGONISMO JUVENIL: INCLUSÃO E EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

Fernanda Cilene Moreira de Meira

Stela Maria Fernandes Marques

João Victor Gomes Magalhães Garcia

Bruna Fernanda Gonçalves de Araújo

Diego Alves Santos

Apresentador: Fernanda Cilene Moreira de Meira

Eixo: Estudos com conclusões parciais

Tipo de Apresentação: Oral Resumo:

As escolas recebem um número crescente de alunos com deficiência ou necessidades educacionais especiais em suas classes regulares. De acordo com o Censo Escolar (CENSO, 2014), entre 1998 e 2014, as matriculas em classe comum passaram de 13% para 79%, expondo, assim, o crescimento da população com deficiência nas escolas brasileiras. O direito a matricula e frequência de pessoas com deficiência nas escolas impacta a sociedade em geral, pois além de mudanças no ambiente escolar são necessárias mudanças e adaptações físicas, capacitação e formação de pessoas para a inclusão desses jovens no mercado de trabalho. A execução do projeto se baseará no método “aprender fazendo”, o qual pressupõe a interação dos conteúdos teóricos e práticos para promover uma educação experiencial baseada na interdisciplinaridade, visão sistêmica da sociedade, relacionamentos interpessoais, ética e boa conduta. Esse projeto trabalhará 04 (quatro) eixos que orientam a educação para o futuro: aprender a ser, aprender a conviver, aprender a fazer e aprender a aprender. A escola selecionará no máximo 40 (quarenta) alunos para que, juntos, e de forma cooperativa, colaborativa e orientada, desenvolvam um projeto de negócio, por meio de uma experiência prática em economia e negócios, na organização e operação de uma empresa. Para que os alunos vivenciem uma experiência empreendedora imersiva, durante o projeto os alunos participarão de encontros semanais nas dependências das escolas, durante o contra turno escolar. Em cada encontro será trabalhado um assunto diferente para o desenvolvimento do projeto. Ao todo, os alunos passarão por 03 (três) grandes fases, sendo a primeira de Idealização, com discussão de ideias para o negócio, estudo de Viabilidade, pesquisa de Mercado, capitalização, eleição da diretoria, planejamento financeiro e prototipagem; a segunda fase, de Operacionalização do Negócio para produção do produto,  gestão do negócio, apresentação do projeto para a Comunidade e auditoria; e a terceira fase, para Encerramento com entrega de relatórios, encontro dos financiadores e formatura dos alunos. O projeto tem como principal objetivo promover a cultura empreendedora entre estudantes do ensino médio de escolas públicas e proporcionar aos estudantes a experiência prática em negócios, economia e gestão por meio da organização e operacionalização de empresas estudantis para a criação e o desenvolvimento de uma empresa inclusiva. Por se tratar da elaboração de uma empresa inclusiva para capacitação/formação de jovens para inclusão de pessoas surdas e aprendizagem de Libras, eles terão a oportunidade de conviver com a diversidade, aprender uma nova língua e de ingressar no mercado de trabalho mais capacitados (as). A relevância do projeto está pautada nas demandas sociais e econômicas atuais que requerem pessoas capacitadas para resolver problemas e se relacionar e trabalhar com pessoas com deficiência. Para isso, as escolas, principalmente de ensino médio, devem promover ações para fomentar e desenvolver a cultura empreendedora dos estudantes; despertar e subsidiar o protagonismo, a autonomia e a proatividade para a criação de projetos empreendedores e inovadores, tanto empresariais quanto sociais; capacitar estudantes a elaborar projetos exequíveis e gerir negócios e, sobretudo, ensinar valores, como perseverança, ética, integridade, sensibilidade e respeito à diversidade. A metodologia para desenvolvimento deste projeto consistirá em pesquisa-ação baseada nos 04 (quatro) eixos que orientam a educação para o futuro, aprender a ser, aprender a conviver, aprender a fazer e aprender a aprender a partir da interação entre teoria e prática para promover uma educação de qualidade. A pesquisa será estruturada em cinco etapas: planejamento e produção, seleção, idealização, operacionalização e encerramento. Espera-se, inclusive, que a pesquisa possa sugerir novos trabalhos para elaboração de novos projetos, criação de associações cooperativas e pesquisas sobre empreendedorismos, empreendimentos criativos e capacitação e inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.